Letícia Sabatella: bonita, “politizada”, e totalmente esquerda caviar!

Por Rodrigo Constantino:

Letícia Sabatella: bonita, “politizada”, e totalmente esquerda caviar!

Fonte: Estadão

A atriz Letícia Sabatella é quase tão conhecida pelo seu engajamento político como por sua atuação na Rede Globo, a mídia “capitalista” e “golpista” (sinônimos, segundo seus próprios companheiros da esquerda radical). Ementrevista ao Estadão hoje, mostrou como pretende fazer de tudo para permanecer na vanguarda… do atraso. É a típica esquerdista caviar, que vive em seu mundinho, em sua bolha, e posa de “consciente” contra os “alienados” – aqueles que aderiram ao “sistema”.

Após desprezar as manifestações populares que lotaram as ruas do Brasil em março e abril, que denotariam uma “sombra coletiva terrível, racista, fascista, homofóbica e egoísta”, a atriz enalteceu o MST e colocou a solução dos problemas nacionais na tal “reforma política”, leia-se: o projeto petista de substituir a democracia representativa pela direta, como aquela existente na Venezuela (país que deveria ser idolatrado pela atriz, mas que sem dúvida jamais seria escolhido como local para se viver, ao contrário da França ou mesmo os Estados Unidos, sempre odiados no discurso).

Não acho que Sabatella seja necessariamente hipócrita, ainda que claramente incoerente. Creio que seu perfil combina mais com o da alienação, ironicamente o que ela diagnostica na classe média trabalhadora hoje revoltada com o governo Dilma. Sem embasamento teórico adequado, a atriz deixa sua autoimagem de defensora dos oprimidos falar mais alto do que os fatos, e precisa crer, de forma romântica, numa “solução mágica”, numa utopia igualitária. Assim, ela ataca todo o “sistema”, os “egoístas” e “insensíveis” que só pensam em ganhar mais, enquanto fecha ótimos cachês com o próprio “capeta” capitalista.

Quando a atriz resolve dar pitaco sobre educação, sai de baixo! Para ela, informação se obtém na internet, o que torna as escolas obsoletas. Logo, o modelo de escolas conteudistas é ultrapassado, e o ideal seria transformar as escolas em espaço para “cidadania”, para a “formação do pensamento”. Em outras palavras: esqueça a função da escola de instruir e transmitir conteúdo objetivo, e vamos abraçar com vontade a estratégia de Paulo Freire e Gramsci para “reformar a humanidade”, o que, na prática, significa apenas doutrinação ideológica para produzir papagaios marxistas (alguns poderão até chegar ao estrelato na Globo).

Ninguém deveria levar a sério a opinião política ou ideológica de um ator ou uma atriz, pois não há absolutamente nada que garanta seu conhecimento ou sabedoria sobre tais tópicos. Infelizmente, não é assim que as coisas funcionam. A fama obtida como ator ou atriz permite uma ampla audiência para a divulgação de agendas políticas e ideológicas, quase sempre absurdas.

Por isso é preciso rebater as baboseiras desses famosos, pois elas influenciam a população, que mistura as bolas e presta atenção na mensagem só porque veio de alguém famoso. Não se ligam que para atuar não é preciso ter conhecimento político ou econômico algum. Algumas vezes basta ter um rosto bonito e saber mentir bem, metamorfoseando-se em diferentes personagens de acordo com o roteiro.

Rodrigo Constantino

2 opiniões sobre “Letícia Sabatella: bonita, “politizada”, e totalmente esquerda caviar!”

  1. É um direito da senhora Letícia de fazer a sua censura. Mas ela não é dona da verdade para dizer que aqueles que participaram dos protestos não têm posição definida diante do atual quadro da política nacional.
    Questiono muito a sinceridade hipócrita desses defensores dos direitos humanos. Consideram-se certinhos demais e encaram a realidade social brasileira de forma muito romântica.
    A dona Letícia é muito light. Acha normal que a televisão brasileira mostre as exceções comportamentais sexuais como se isso fosse uma regra muito natural, inclusive de paradigma às nossas crianças.
    Assim como ela se acha no direito de defender o beijo gay na televisão, da mesma forma não deveria se indignar com o descontentamento das religiões. A não aceitação do “amor verdadeiro como ele acontece” não é porque alguém seja hipócrita. Fomos criados numa outra cultura. E não se muda a cultura de um povo do dia para noite.
    Guardadas as devidas proporções, o fato, por exemplo, de homens ou mulheres terem comportamentos sexuais com animais não lhes dá o direito de pretender expor esse comportamento na televisão como tentativa de mostrar o outro lado de uma realidade que existe de fato.
    A dona Letícia é da vanguarda liberal e defensora farisaica dos fora dos padrões sociais regulares. É chegada ao exército dos sem-terra, do Stédile e do Lula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>